Sistema Agroflorestal com foco em citricultura na Fazenda da Toca

Tucano acolhido no Santuário Animal Care, em Angra dos Reis (RJ)

“A coruja foi encontrada com parte da asa quebrada e outra perdida”. “Esse bugio foi resgatado com queimaduras”. “O papagaio foi visto com uma linha de cerol enrolada na pata”.

Sem querer dar spoiler, essa é uma história que começa triste, mas tem um desfecho feliz. Então leia até o final porque vale a pena.

Para quem é amante da natureza, como nós e certamente como você por estar nos lendo, uma das cenas mais horríveis de se ver é a de animais silvestres vítimas do tráfico. Ver aves, macacos e tantas espécies retiradas do seu habitat natural, aprisionadas, machucadas e transformadas em mercadoria corta o coração e causa revolta.

Parece um grande absurdo, mas infelizmente essa é uma realidade muito presente. Você sabia que o comércio ilegal de animais é uma das atividades clandestinas que mais movimentam dinheiro no mundo, atrás apenas do tráfico de drogas, armas e seres humanos? Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), esse mercado movimenta cerca de US$ 20 bilhões ao ano. E, por conta de toda a nossa biodiversidade, a América Latina e o Brasil estão entre os principais alvos de quadrilhas.

Só no Brasil, estima-se que 38 milhões de animais são retirados da natureza anualmente. E de cada 10 traficados, apenas 1 sobrevive. Os demais acabam morrendo na captura e no transporte. Os dados são da Renctas (Rede Nacional de Combate ao Tráficos de Animais Silvestres). Com números tão expressivos, naturalmente, essa ação criminosa é considerada uma das principais ameaças à fauna brasileira, atrás da perda de habitat e destruição dos ecossistemas.

As apreensões de animais silvestres pela Polícia Ambiental também têm aumentado. Só no Estado de São Paulo foram apreendidos no ano passado 21.121 animais vítimas do tráfico, contra 19.449 em 2017.

Uma parte desses animais resgatados não tem condições de ser reintegrada à natureza, ou porque eles encontram-se com alguma séria lesão, ou porque foram domesticados durante o convívio humano por um longo período de tempo. Ou seja, soltos em um espaço natural, se tornariam altamente vulneráveis e não sobreviveriam.

Nesse cenário, surge uma questão preocupante: como evitar mais ameaças e sofrimento e como garantir a eles máxima dignidade e qualidade de vida depois do resgate?

É aí que entra o trabalho de entidades como o Santuário Animal Care, com o qual temos orgulho de poder contribuir.

UMA NOVA CASA E MUITO CARINHO PELOS ANIMAIS

A preservação da biodiversidade e a empatia por todas as formas de vida estão no DNA da Fazenda da Toca. Por isso, essa parceria com o Animal Care caiu como uma luva. No mês de setembro, fomos convidados a fazer uma visita ao santuário.

“Para nós é uma grande satisfação poder contribuir com uma causa tão nobre e tão ligada ao nosso propósito de cuidar da nossa fauna, biodiversidade e promover impacto positivo no planeta”, afirma Fernando Bicaletto, Diretor-Executivo da Fazenda da Toca.

Localizado no município de Angra dos Reis, na serra da Bocaina (RJ), a maior área preservada da Mata Atlântica Fluminense, o Animal Care tem a missão de acolher e cuidar de animais silvestres sobreviventes do tráfico. É o único mantenedouro com essa finalidade reconhecido pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) no Estado do Rio de Janeiro e um dos poucos, ainda, no país.

Em um lugar de muita beleza natural, atualmente, abriga dezenas de animais, entre eles 22 macacos-prego, dois bugios, sendo uma fêmea idosa e cega, araras, papagaios, tucanos, corujas, maritacas, jacu e outras espécies.   

Os viveiros são projetados conforme normativas do Ibama para oferecer a eles o ambiente mais semelhante possível ao habitat natural.

A fundadora e mantenedora do Santuário Animal Care é a empresária Simone Duque. A paixão pelos animais é antiga e transparece logo em seu olhar. E foi assim, com o olho brilhando e o rosto iluminado, que ela nos guiou pelo seu sítio transformado em abrigo. Nesse passeio, a primeira coisa que notamos é o carinho que tem por todos os habitantes do santuário  – que aliás é recíproco, como vemos na forma como são apegados e ela e se sentem à vontade em sua presença.

É muito bonito de ver a relação que Simone criou com cada um dos animais. Chama todos pelo nome e conhece de cor a sua história.

“Essa é a Amora”, diz, nos apresentando a uma fêmea de Bugio. “Ela é cega e já com idade bem avançada. Foi resgatada com uma parte do corpo queimada. Depois de todo o tratamento e estabilização emocional, porque ela era bastante retraída e tinha muito medo, hoje ela está em ótima condição de saúde”, conta, enquanto acaricia e fala de mansinho com Amora.

O viveiro dos macacos-prego é uma algazarra. E quando passamos, eles logo vêm nos cumprimentar e incrivelmente estendem e apertam a nossa mão e olham nos olhos com muita expressividade, como quem reconhece um familiar. Ao entrar no seu recinto, alguns se aproximam com curiosidade e os mais acostumados com a presença humana querem colo e carinho.

Na ala das aves, vemos várias espécies distintas – tucanos, papagaios, corujas, entre outras— alçando voos em viveiros amplos e longos. Lá um papagaio repete “Quer morrer, quer morrer?”, ao que damos risada, mas imaginando onde pode ter aprendido essas palavras não muito reconfortantes.

Macaco-prego se deliciando com  ovos da Toca

OVOS ORGÂNICOS PARA OS MACACOS

Engana-se quem pensa que macaco só gosta de banana. Em sua dieta natural entram folhas, sementes, outras frutas e… ovos.

E foi pensando em uma alimentação mais saudável para os primatas, que o Animal Care nos procurou para essa parceria. A Fazenda da Toca passa agora a fazer doações mensais dos nossos ovos orgânicos para reforçar a alimentação dos 22 macacos-prego, dois bugios e, também, um mão-pelada que habitam o santuário.

“Temos um acompanhamento veterinário constante para todos os animais, e os ovos da Toca serão muito importantes na alimentação deles pelo seu valor nutricional”, diz Simone.

Nesse vídeo abaixo, você pode assistir e se divertir com essa curiosa cena dos macacos-prego quebrando cuidadosamente, descascando e comendo os nossos ovos.

Como são importantes fontes de proteína e considerados o segundo alimento mais rico da natureza depois do leite materno, certamente farão muito bem a eles. Por isso, é com muita alegria que firmamos essa nova parceria.

Conheça mais sobre o Santuário Animal Care pelo site ou pelo Insta @associacaoanimalcare ou pelo site.

 

Nossas redes
  

Contatos

São Paulo +55 (16) 2106.8606
Demais localidades: 0800 123 780

Rodovia Washington Luís, Km 204, s/n
Zona Rural, Itirapina – SP, 13530-000

Compartilhar