UMA PRODUÇÃO DE OVOS QUE PUXA TODA A CADEIA PRODUTIVA DE ORGÂNICOS

Em 2011, dávamos início à produção de ovos orgânicos na Fazenda da Toca. Na época, montamos um aviário experimental com apenas 1.500 galinhas. Era para ser uma atividade secundária, que obviamente seria também fonte de receita, mas seu principal objetivo era fornecer o esterco das aves, ou cama de frango, como fertilizante orgânico para as áreas agrícolas.

Sete anos depois, esse projeto deixou de ser secundário para se tornar a principal linha de negócios da Fazenda.

Hoje, a Toca se tornou a maior produtora de ovos orgânicos do país, provando a viabilidade da produção orgânica em larga escala. E também se transformou em uma referência nacional e internacional em bem-estar animal na atividade de avicultura de postura.

“Nossa produção de ovos tem um impacto significativo sobre toda a cadeia produtiva do setor, ao puxar a produção de milho e soja orgânicos, que estão na base da agropecuária”, diz o diretor-executivo da Fazenda da Toca, Fernando Bicaletto, ou Bica, como é mais conhecido. “É uma atividade que vai muito além dos ovos e contribui para estimular a produção de orgânicos como um todo.” Para contar essa história, nós o convidamos para a entrevista de estreia de nossa Newsletter. Confira abaixo:

 

  1. O que tornou possível esse salto da produção de ovos orgânicos na Fazenda, de uma atividade lateral para a principal linha de negócios da Fazenda da Toca?

Percebemos que para ganhar escala e eficiência, deveríamos partir para a especialização. Vimos que teríamos mais chances de sucesso dominando muito bem uma atividade produtiva. E os nossos ovos orgânicos sempre tiveram excelente aceitação no mercado. Decidimos então apostar nesse produto e em todo o know-how que já tínhamos acumulado nessa área de avicultura de postura. E foi de fato uma decisão muito acertada. Hoje nos consolidamos como os maiores produtores de ovos orgânicos do país, com um market-share de cerca de 45%, e estamos investindo na ampliação da capacidade produtiva e expansão comercial em São Paulo, Rio de Janeiro e outros Estados também.

  1. E como o foco nessa atividade transformou a Fazenda do ponto de vista empresarial?

Antes de mais nada, a Fazenda da Toca, é uma empresa movida por um propósito. O nosso propósito é sermos sustentáveis em três pilares: ambiental, social e financeiro. Nos dois primeiros quesitos, a Fazenda sempre foi uma referência. E nos últimos anos, conseguimos também firmar a perna da sustentabilidade financeira. Com a atividade de ovos orgânicos, que hoje é a nossa principal do ponto de vista comercial, consolidamos a nossa solidez financeira e atingimos resultados extremamente positivos. E mais do que isso, a nossa atividade tem um impacto significativo em todo o setor porque puxa toda a cadeia produtiva de milho e soja orgânicos, por exemplo, que estão na base da agropecuária.

  1. Como você avalia hoje o mercado de ovos orgânicos no Brasil?

O mercado de orgânicos de modo geral cresce a uma taxa bastante acelerada. No ano passado, houve um crescimento de 30% no Brasil. É claro que em face de toda a produção de alimentos, esse ainda é um nicho. Mas vemos um horizonte muito promissor. No Brasil, a produção de ovos orgânicos chega a menos de 1% do total, enquanto nos Estados Unidos o percentual alcança 4,5%. Mas é importante ressaltar que é um segmento altamente desafiador. A começar pela obtenção de grãos orgânicos para a ração, com uma oferta ainda muito restrita no Brasil. E também há uma imensa complexidade na operação para atender todos os requisitos de certificação e manejo de bem-estar animal, além de desafios logísticos e de armazenagem. É bom não ter ilusões porque não é um ramo simples nem fácil, mas vemos uma demanda bastante aquecida, o que nos motiva a ampliar nossos investimentos.

  1. A principal marca da produção de ovos orgânicos na Fazenda da Toca é o bem-estar animal. Como se aplica esse princípio?

Hoje a Fazenda se tornou uma referência em bem-estar animal, que é o princípio máximo da nossa produção. O respeito e o apreço pelas aves e o cuidado diário com a sua qualidade de vida orientam a nossa rotina e são para nós pilares de um sistema produtivo ético, responsável e sustentável. Isso significa que o nosso foco é na galinha, e o ovo é consequência. Esse é um valor ético fundamental que não abrimos mão.

  1. E como se dá na prática a garantia de qualidade de vida das aves? O que há de especial no manejo das galinhas?

Em nosso manejo, consideramos cada mínimo detalhe essencial para proporcionar a elas a melhor qualidade de vida. Um deles, por exemplo, é a presença do poleiro nos aviários. As aves são muito hierárquicas em sua organização social, e a instalação de poleiros adequados permite que as dominantes fiquem em cima e as dominadas embaixo, garantindo a harmonia social. Elas também têm amplo acesso às áreas externas para pastejar e ciscar à vontade. A rotina que levam permite que expressem todos os seus comportamentos naturais, como tomar banho de sol e areia e explorar os piquetes, além, é claro, de estarem sempre supridas de alimentação equilibrada, água e conforto térmico nos aviários [Clique aqui para conhecer a rotina dos nossos aviários]. 

  1. Quais são as certificações que a Toca atende e que atestam aos consumidores o cumprimento das melhores práticas nesse quesito?

A certificação orgânica já diz muito sobre bem-estar animal porque não é apenas a alimentação que caracteriza uma produção orgânica e sim um conjunto de práticas que visam o respeito aos animais. E, além da certificação orgânica, nós obtivemos no princípio desse ano o selo Certified Humane de bem-estar animal, conferido pela maior organização internacional voltada ao direito dos animais. Essa certificação nos permitiu elevar ainda mais a régua do bem-estar animal e aperfeiçoar o nosso manejo. A Toca foi a primeira empresa brasileira a obter esse selo pela modalidade de produção caipira, o que nos dá muito orgulho.

  1. Recentemente a Toca ampliou seu portfólio de ovos. Muita gente encara ovos como um produto commodity. Mas a Fazenda lançou variedades de ovos especiais. Qual é a diferença desses produtos?

Pois é, essa é uma prova de que o nosso mercado está se sofisticando e mudando muito. As pessoas, em busca de uma alimentação mais saudável, optam cada vez mais pelos orgânicos. E isso já sabíamos, mas agora vemos que além de orgânicos, procuram algo que proporcione um ganho adicional à saúde. E foi essa demanda que nos fez lançar os chamados ovos funcionais, que são aqueles enriquecidos naturalmente com Ômega 3, Selênio e Vitamina E, nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo. Essa foi uma inovação da Toca porque esse tipo de ovos estava disponível apenas no mercado convencional. E conseguimos introduzi-lo com muito sucesso no setor de orgânicos.

  1. E como se dá esse enriquecimento de Ômega 3, Selênio e Vitamina E?

Esse enriquecimento se dá de forma 100% natural a partir da ração das aves. No caso do Ômega 3, considerado uma ‘gordura boa’ que combate o colesterol e doenças cardiovasculares, adicionamos na alimentação das galinhas o óleo de linhaça, uma excelente fonte de Ômega 3 e que não traz nenhuma interferência no sabor do ovo. Em relação à Vitamina E e ao Selênio, que é um mineral com propriedades antioxidadantes, aumentamos o núcleo desses nutrientes na ração das aves. Ou seja, elas já consumiam essas substâncias para a sua própria saúde, mas para sair um ovo com alto conteúdo de Selênio e Vitamina E, fizemos um acréscimo desses nutrientes.

  1. E um relançamento interessante é o dos ovos pequenos, que são uma espécie de ‘patinho feio’ do mercado, mas que ganhou uma nova identidade na Toca. Que história é essa?

Com esse relançamento dos ovos pequenos, contamos uma história que é pouco conhecida do público e convidamos o consumidor para um importante diálogo sobre temas fundamentais da atualidade, como o combate ao desperdício e as condições de produção dos alimentos. Os ovos orgânicos pequenos, que são produzidos em sua maioria por galinhas jovens em início de ciclo reprodutivo, muitas vezes sofrem o mesmo preconceito que as hortaliças ditas ‘feias’, ou seja, que estão fora do padrão.  E, assim, acabam rejeitados e tendo pouca saída. Por essa razão, muitas vezes têm de ser vendidos no mercado convencional, como um ovo comum. E esse é um grande desperdício de valor porque trata-se de um produto orgânico, nobre. Esse desperdício de valor é muito prejudicial porque enfraquece a cadeia de orgânicos, uma vez que impõe um valor insustentável para os produtores, que se veem obrigados a comercializar os ovos pequenos com preço abaixo do custo. Essa é a grande novidade desse lançamento. Com esse produto, agora disponível em estojo com 12 unidades, temos a oportunidade de nos aproximar ainda mais dos nossos consumidores, esclarecer questões importantes sobre a produção orgânica e fortalecer o consumo consciente por meio de um diálogo franco. Ao adquirir os ovos orgânicos pequenos de galinhas jovens, os consumidores conhecem o lado do produtor e impulsionam o mercado de orgânicos no Brasil.

  1. Um dos pontos que os consumidores sempre questionam é a questão do preço dos alimentos orgânicos. Como é possível tornar esse produto mais acessível?

Essa é uma questão muito importante. De fato, a diferença de preço entre produtos orgânicos e convencionais no Brasil ainda é grande, podendo chegar a 300%. Nos Estados Unidos, essa diferença é menor, varia de 40% a 140%. Esse cenário começa a mudar à medida em que a cadeia de produção orgânica ganha escala para reduzir seus custos e conseguir colocar produtos com preços mais acessíveis para o consumidor. Já estamos vendo esse movimento e acredito que essa diferença de preços tenderá mesmo a diminuir no futuro próximo.

UMA PRODUÇÃO DE OVOS QUE PUXA TODA A CADEIA PRODUTIVA DE ORGÂNICOS

Em 2011, dávamos início à produção de ovos orgânicos na Fazenda da Toca. Na época, montamos um aviário experimental com apenas 1.500 galinhas. Era para ser uma atividade secundária, que obviamente seria também fonte de receita, mas seu principal objetivo era fornecer o esterco das aves, ou cama de frango, como fertilizante orgânico para as áreas agrícolas.

Sete anos depois, esse projeto deixou de ser secundário para se tornar a principal linha de negócios da Fazenda.

Hoje, a Toca se tornou a maior produtora de ovos orgânicos do país, provando a viabilidade da produção orgânica em larga escala. E também se transformou em uma referência nacional e internacional em bem-estar animal na atividade de avicultura de postura.

“Nossa produção de ovos tem um impacto significativo sobre toda a cadeia produtiva do setor, ao puxar a produção de milho e soja orgânicos, que estão na base da agropecuária”, diz o diretor-executivo da Fazenda da Toca, Fernando Bicaletto, ou Bica, como é mais conhecido. “É uma atividade que vai muito além dos ovos e contribui para estimular a produção de orgânicos como um todo.” Para contar essa história, nós o convidamos para a entrevista de estreia de nossa Newsletter. Confira abaixo:

1. O que tornou possível esse salto da produção de ovos orgânicos na Fazenda, de uma atividade lateral para a principal linha de negócios da Fazenda da Toca?

Percebemos que para ganhar escala e eficiência, deveríamos partir para a especialização. Vimos que teríamos mais chances de sucesso dominando muito bem uma atividade produtiva. E os nossos ovos orgânicos sempre tiveram excelente aceitação no mercado. Decidimos então apostar nesse produto e em todo o know-how que já tínhamos acumulado nessa área de avicultura de postura. E foi de fato uma decisão muito acertada. Hoje nos consolidamos como os maiores produtores de ovos orgânicos do país, com um market-share de cerca de 45%, e estamos investindo na ampliação da capacidade produtiva e expansão comercial em São Paulo, Rio de Janeiro e outros Estados também.

2. E como o foco nessa atividade transformou a Fazenda do ponto de vista empresarial?

Antes de mais nada, a Fazenda da Toca, é uma empresa movida por um propósito. O nosso propósito é sermos sustentáveis em três pilares: ambiental, social e financeiro. Nos dois primeiros quesitos, a Fazenda sempre foi uma referência. E nos últimos anos, conseguimos também firmar a perna da sustentabilidade financeira. Com a atividade de ovos orgânicos, que hoje é a nossa principal do ponto de vista comercial, consolidamos a nossa solidez financeira e atingimos resultados extremamente positivos. E mais do que isso, a nossa atividade tem um impacto significativo em todo o setor porque puxa toda a cadeia produtiva de milho e soja orgânicos, por exemplo, que estão na base da agropecuária.

3. Como você avalia hoje o mercado de ovos orgânicos no Brasil?

O mercado de orgânicos de modo geral cresce a uma taxa bastante acelerada. No ano passado, houve um crescimento de 30% no Brasil. É claro que em face de toda a produção de alimentos, esse ainda é um nicho. Mas vemos um horizonte muito promissor. No Brasil, a produção de ovos orgânicos chega a menos de 1% do total, enquanto nos Estados Unidos o percentual alcança 4,5%. Mas é importante ressaltar que é um segmento altamente desafiador. A começar pela obtenção de grãos orgânicos para a ração, com uma oferta ainda muito restrita no Brasil. E também há uma imensa complexidade na operação para atender todos os requisitos de certificação e manejo de bem-estar animal, além de desafios logísticos e de armazenagem. É bom não ter ilusões porque não é um ramo simples nem fácil, mas vemos uma demanda bastante aquecida, o que nos motiva a ampliar nossos investimentos.

4. A principal marca da produção de ovos orgânicos na Fazenda da Toca é o bem-estar animal. Como se aplica esse princípio?

Hoje a Fazenda se tornou uma referência em bem-estar animal, que é o princípio máximo da nossa produção. O respeito e o apreço pelas aves e o cuidado diário com a sua qualidade de vida orientam a nossa rotina e são para nós pilares de um sistema produtivo ético, responsável e sustentável. Isso significa que o nosso foco é na galinha, e o ovo é consequência. Esse é um valor ético fundamental que não abrimos mão.

5. E como se dá na prática a garantia de qualidade de vida das aves? O que há de especial no manejo das galinhas?

Em nosso manejo, consideramos cada mínimo detalhe essencial para proporcionar a elas a melhor qualidade de vida. Um deles, por exemplo, é a presença do poleiro nos aviários. As aves são muito hierárquicas em sua organização social, e a instalação de poleiros adequados permite que as dominantes fiquem em cima e as dominadas embaixo, garantindo a harmonia social. Elas também têm amplo acesso às áreas externas para pastejar e ciscar à vontade. A rotina que levam permite que expressem todos os seus comportamentos naturais, como tomar banho de sol e areia e explorar os piquetes, além, é claro, de estarem sempre supridas de alimentação equilibrada, água e conforto térmico nos aviários. [Clique aqui para conhecer a rotina dos nossos aviários]. 

6. Quais são as certificações que a Toca atende e que atestam aos consumidores o cumprimento das melhores práticas nesse quesito?

A certificação orgânica já diz muito sobre bem-estar animal porque não é apenas a alimentação que caracteriza uma produção orgânica e sim um conjunto de práticas que visam o respeito aos animais. E, além da certificação orgânica, nós obtivemos no princípio desse ano o selo Certified Humane de bem-estar animal, conferido pela maior organização internacional voltada ao direito dos animais. Essa certificação nos permitiu elevar ainda mais a régua do bem-estar animal e aperfeiçoar o nosso manejo. A Toca foi a primeira empresa brasileira a obter esse selo pela modalidade de produção caipira, o que nos dá muito orgulho.

7. Recentemente a Toca ampliou seu portfólio de ovos. Muita gente encara ovos como um produto commodity. Mas a Fazenda lançou variedades de ovos especiais. Qual é a diferença desses produtos?

Pois é, essa é uma prova de que o nosso mercado está se sofisticando e mudando muito. As pessoas, em busca de uma alimentação mais saudável, optam cada vez mais pelos orgânicos. E isso já sabíamos, mas agora vemos que além de orgânicos, procuram algo que proporcione um ganho adicional à saúde. E foi essa demanda que nos fez lançar os chamados ovos funcionais, que são aqueles enriquecidos naturalmente com Ômega 3, Selênio e Vitamina E, nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo. Essa foi uma inovação da Toca porque esse tipo de ovos estava disponível apenas no mercado convencional. E conseguimos introduzi-lo com muito sucesso no setor de orgânicos.

8. E como se dá esse enriquecimento de Ômega 3, Selênio e Vitamina E?

Esse enriquecimento se dá de forma 100% natural a partir da ração das aves. No caso do Ômega 3, considerado uma ‘gordura boa’ que combate o colesterol e doenças cardiovasculares, adicionamos na alimentação das galinhas o óleo de linhaça, uma excelente fonte de Ômega 3 e que não traz nenhuma interferência no sabor do ovo. Em relação à Vitamina E e ao Selênio, que é um mineral com propriedades antioxidadantes, aumentamos o núcleo desses nutrientes na ração das aves. Ou seja, elas já consumiam essas substâncias para a sua própria saúde, mas para sair um ovo com alto conteúdo de Selênio e Vitamina E, fizemos um acréscimo desses nutrientes.

9. E um relançamento interessante é o dos ovos pequenos, que são uma espécie de ‘patinho feio’ do mercado, mas que ganhou uma nova identidade na Toca. Que história é essa?

Com esse relançamento dos ovos pequenos, contamos uma história que é pouco conhecida do público e convidamos o consumidor para um importante diálogo sobre temas fundamentais da atualidade, como o combate ao desperdício e as condições de produção dos alimentos. Os ovos orgânicos pequenos, que são produzidos em sua maioria por galinhas jovens em início de ciclo reprodutivo, muitas vezes sofrem o mesmo preconceito que as hortaliças ditas ‘feias’, ou seja, que estão fora do padrão.  E, assim, acabam rejeitados e tendo pouca saída. Por essa razão, muitas vezes têm de ser vendidos no mercado convencional, como um ovo comum. E esse é um grande desperdício de valor porque trata-se de um produto orgânico, nobre. Esse desperdício de valor é muito prejudicial porque enfraquece a cadeia de orgânicos, uma vez que impõe um valor insustentável para os produtores, que se veem obrigados a comercializar os ovos pequenos com preço abaixo do custo. Essa é a grande novidade desse lançamento. Com esse produto, agora disponível em estojo com 12 unidades, temos a oportunidade de nos aproximar ainda mais dos nossos consumidores, esclarecer questões importantes sobre a produção orgânica e fortalecer o consumo consciente por meio de um diálogo franco. Ao adquirir os ovos orgânicos pequenos de galinhas jovens, os consumidores conhecem o lado do produtor e impulsionam o mercado de orgânicos no Brasil.

10. Um dos pontos que os consumidores sempre questionam é a questão do preço dos alimentos orgânicos. Como é possível tornar esse produto mais acessível?

Essa é uma questão muito importante. De fato, a diferença de preço entre produtos orgânicos e convencionais no Brasil ainda é grande, podendo chegar a 300%. Nos Estados Unidos, essa diferença é menor, varia de 40% a 140%. Esse cenário começa a mudar à medida em que a cadeia de produção orgânica ganha escala para reduzir seus custos e conseguir colocar produtos com preços mais acessíveis para o consumidor. Já estamos vendo esse movimento e acredito que essa diferença de preços tenderá mesmo a diminuir no futuro próximo.

Conteúdos relacionados

Share This